sábado, janeiro 29, 2011

Medos

(Certa tarde, ao acompanhar meu filho ao funeral de um senhor idoso)

Naquela tarde na necrópole
Sozinho, sem mais ninguém...
A procura das pessoas
Num desencontro total!

Perdi a solenidade e o cortejo
Perdi-me nas quadras e lápides
Somente o silêncio permeia
As flores e sepulcros também!

Caminho a esmo...
Perco-me, no trajeto.
Onde estavam todos?
Senti certo medo!

Bobagem eu sei!
Medo de quem já se foi?
Medo faz é dos viventes!
Senti um soturno silêncio...

Os espíritos que se foram,
Sei o que diz o Santo Livro!
Mas senti um calafrio,
Post Mortem talvez...

Voltei de onde parti
Gelado, tremulo tácito...
Recompus-me ao ver alguém
Voltei de novo em mim...

Algumas canções ouvira
Decerto melodias breves
Anos oitenta creio,
Tornando-se hinos celestes...
                                                   

Nenhum comentário: