segunda-feira, fevereiro 14, 2011

Distância Consoladora

Na doçura angélica do teu olhar
De teu coração de amor tão lindo
De teu amor singelo a proclamar
E com poemas recônditos surgindo

Nas belezas celestiais e da ternura
Do sentimento imaculado infindo
Teu amor é o amor que transfigura
De teu tenro coração se abrindo

No entanto como que belezas vagas
Dessas belezas de sonhos de infância
Talvez recordações de outras plagas...

De uma fábula e cândida lembrança
De uma visão angélica delicada
Na visão consoladora da distância...