domingo, fevereiro 20, 2011

Teus Silêncios

Mundos silenciosos, profundos silenciosos!
Selados por uma paz, de uma doce melancolia
Embalam os teus seios, balsâmicos amorosos
E todos os sentimentos, do amor que te nutria

Sonho harmonioso, de doces contemplações
Do amor abençoado, do amor que me abraça
Segreda em minh’alma, palavras e sensações
Em teus vagos desejos de sonhos que me enlaça

Mas quanta ansiedade, vertida desta ternura
Do amor que eu nutri, por santa musa divina
Nas âncoras profundas, de sonho e aventura
Doado com todo afeto à Flor, que me ilumina

Alma doce, mas ferida, tristonha e palpitante
Que sonha com estrelas, cintilantes solitárias
Do sonho transfigurado sensual e fascinante
Dos mistérios de amor, de canções imaginárias

Tens ais de um adeus, de trêmulo castigo
Que lembra uma oscilante estrela que erradia
É como o ramo seco, ao vento sobre o jazigo
É como vejo teu ser, em dores com agonia

No teu ser de silêncio, de sonho e esperança
Tão doce e silenciosa, das flores e dos desejos
Rebenta na singeleza, em vida e temperança,
Quando em esplendor, revives em doces beijos!