quinta-feira, março 10, 2011

Fado Amoroso


A noute cintilava quando a luz nascia
Na clara vastidão das solidões ingratas
Em cânticos de prelúdio e as serenatas
De alva sonoridade, e tanta melancolia

Mas ainda ouço teu fado com ternura
De tão sublime, merencória nostalgia
Das lembranças, não sei qual foi o dia
E dos cânticos melodiosos de candura

Ah... E por este sinfônico arpejo
Nos incensos dos turíbulos, eu vejo
Teu ser nos aromas de áureos fados

Os sentimentos lutuosos retornam...
Os plenilúnios em minh'alma choram
Guitarras, cantorias, tua voz, afagos...

Créditos da Imagem:
http://poetik4ever.blogspot.com/2009_06_01_archive.html