segunda-feira, março 14, 2011

O Poema


Nos sonhos por entre brumas pairando,
Existem delírios, fascínios, amarantos
Com emanações das luzes ora vibrando,
Da alma soturna, e sublimes quebrantos...

São delírios, de um amor transfigurado
Fonte adocicada, perfume e os encantos,
Que vem de um carinho, imenso iluminado
Celestial, silente, vertido em prantos...

As rimas encerram toda nobre essência
Da alma soturna de triste melancolia,
E da inspiração sutil que nem a morte...

Encerram amor singelo da transcendência
E todo este prazer do amor que apetecia,
Para fecundar um poema supremo e forte...


Parabéns a todos os Poetas!