sábado, abril 02, 2011

Inefável Amor


Minha amada, que enlevo te faz divina
Como flor de fúlgidos encantamentos,
Encarnada nos doces acalentamentos
No êxtase sensual que arrebata e alucina?

Fizeste das formas e aromas de enleios
As sinfonias do ocaso, anjos d’alvorada.
Relíquias imortais, bendita, apaixonada,
E a fina flor, dos mistérios e devaneios

Alma das almas meu singelo abrigo!
Meu amor, seio augusto, consolo amigo
Meu bálsamo, perfume cândido sagrado...

Junto às fontes, de amores insondáveis
Estarei contigo, nos mistérios inefáveis
Com meu coração ardente, apaixonado...