segunda-feira, abril 11, 2011

Carruagem de Fogo

Raul Seixas
Salvador, 28 de junho de 1945 — São Paulo, 21 de agosto de 1989

"Alguém sentiu o teu sofrimento obscuro
Amigo mensageiro solitário entre os seres
Talvez louco, peregrino, sapiente e imaturo
As letras te alçaram aos mistérios e prazeres..."
 
***
Foste irmão, companheiro e sincero.
Amigo! Quando foi que nós nos vimos,
Todas as vezes que o amor dividíamos,
Ao arrebatar-me do abissal mortífero?

Em tua bondade, amigo herói e leal,
Rompeste dificuldades, dividiste o pão;
No auge das festas, e da míope ilusão,
Na febre medonha, do delírio mortal...

Ouço, não acredito, duvido choro!
Da voz do infortúnio, desabo,
O mundo gira, cegam-me os olhos, a dor enluta...

Amarga tristeza dessa desgraçada sina
Perdi um irmão para a cabalística Morte
Hei de beber o fel, ao amigo lhe coube cicuta...


Crédito Imagem: