sexta-feira, maio 20, 2011

Anseios

Um sentimento nostálgico, secreto
Que uma saudade na alma trazia
Deslumbramento velado, discreto
Na alma soturna, pulsava e nutria...

Eram encantos vagos que acordei,
Palpitando em meus sentimentos!
Encantos de lágrimas que derramei,
Ânsias fluídas dos tristes lamentos!

É de tal forma esse carinho imenso
É este enlevo por teus lindos encantos
É divino, sagrado, sublime, intenso
Vertido na alma em puros quebrantos

No seio de paz, há gozo e descansos...
Num descortinar sempiterno vibrante,
Ao adentrar teus recônditos remansos
Vejo lá tu’alma! Liberta, doce, arfante!