segunda-feira, outubro 03, 2011

Desenganada

 A poesia tem sede,
A poesia tem fome.
As flores murcharam,
A terra secou;
No sol causticante...


A poesia,
Quer água e quer alma;
Quer flores e fada.
Mas as palavras teimosas;
Não falam, não dizem nada!


A poesia está ferida
E sofre dilacerada!
E hoje ensangüentada,
Morrendo se esvaindo;
Poesia desenganada...