quarta-feira, outubro 05, 2011

A Piedade


Em um beco qualquer
Decadente e imundo;
É assim noite e dia,
No cenário de outro mundo;
Onde vive a Miséria,
Marginal e Vagabundo...

Os sinos estão sempre a tocar,
Na imensa catedral...
Simbolizam uma voz!

Parece um último adeus,
Dos desejos sacrossantos
De um ser angelical...

Mas eis que surge,
Senhora Piedade!
Vem aos becos caminhar,
Vem aos becos mais imundos!

Como foi em Calcutá,
Vem aos pobres deste mundo.
Vem trazendo devagar,
Liberdade ao moribundo...

Vem com beijos, com delírios,
E no calor de suas mãos;
Estas almas consolar!