sábado, novembro 05, 2011

Cântico de Melancolia

Ao longe ecoa um fado, parece um funeral.
Ecoa por entre a noite, e vertem-se delírios.
São doces inspirações, dolentes e por sinal,
Parecem orações, ou dores de teus martírios.

Nesta melancolia, do fado que te inspira,
E tanto amor vertido, no céu alto flameja.
Parece uma guitarra, ou som de uma lira,
É tudo que tu, ó rosa, no coração almeja!

Quedo-me pesaroso, ante tanta melancolia,
Que a noite merencória, no peito, acaricia;
Adentrando n’alma, plangente, amargurada...

E tu, minha rosa, que esta lágrima alcança,
Entoa com tua voz, dolente, suave e mansa;
Parece a voz de um anjo, de alma dilacerada...