domingo, dezembro 02, 2012

Deleite do Amor

Quando adentrares ao profundo do nosso amor, estejamos certos de que a união dos nossos corpos culminará no êxtase das nossas almas.
Isso será um deleite celestial, a união do divino com o humano, uma apoteose entre o céu e a terra, culminando em luz.


Esta graça que acende o fogo da paixão,
É um êxtase para a alma!
Esta afinidade e esta sintonia
Com esta tua sedução
É o ápice do que tanto queria...

Teu poema adentra n'alma e seduz,
No corpo aguça o paladar e os desejos,
Pois na superfície da tua pele;
No calor gostoso do teu corpo,
O poeta procura afundar-se
Em loucuras e doces ensejos...

E em sutis preliminares
Onde pulsa um coração avassalador
O prazer poderá nos levar 
Ao paraíso de uma mítica Xanadú.

Para viver e a gozar nos limites do céu
E em tua boca adocicada feito o mel
E nos beijos ardentes dos teus lábios
Será o gosto da tua carne e do teu sangue
A saciar a fome e apaziguar este ser.

Mas ainda em teus seios
Frutos maduros
Quais frutos tropicais
Mansamente esta mão tocará
E os reterá divinamente.
E por entre os lençóis será então,
O mais doce prazer...
Deleite do Amor!


quinta-feira, novembro 01, 2012

Poema Ferido


Pesaroso, aflitivo, e nas sendas do meu destino 
Escrevo no livro da vida, amargo, sem esperança 
As letras desajustadas, sem rumo, um desatino 
Que usurpa e subverte, a graça de nossa criança 

Degusto o vinho amargo, impuro, acre, azedo 
De uma vide apodrecida que hoje causa repulsa 
Outrora doce esperança, e agora um arremedo 
Sinistro da minha visão, da alma triste convulsa 

Quanto mais de sangue, ainda será deitado 
Para que a esperança, do sonho deste legado, 
Sepulte toda virtude, restante e enfraquecida? 

É neste triste enredo, macabro de nossa história 
Da nossa dignidade, e tornando em luta inglória, 
Que o mote é sangue deitado, da alma justa, ferida.



Infelizmente, nem só de flores viverá o poeta... 
Porém as flores serão as últimas para aqueles que tiveram a vida abreviada por um trágico destino. 
Quando é que teremos Paz? 
Até quando viveremos rendidos ao terror propagado por humanos que não se contentam em apenas subtrair o dinheiro, ou um pertence da vítima? 
Eles matam, roubam e destroem uma vida que com sacrifício lutou para conquistar um bem. Estamos numa guerra tão destrutiva e sangrenta quanto aquelas promovidas pelo Jihad, pelos cartéis do México, ou pelos ataques suicidas dos extremistas, onde inocentes tem suas vidas ceifadas covardemente. Não poupam nem a mais sofrida das velhinhas... Até quando? No caso brasileiro, a situação vem de longe e é tão complexa quanto à de outros países. Não sou expert em questões sociais, terreno onde os intelectuais trafegam com tanta desenvoltura. Apenas externo aqui meus sentimentos, como o de qualquer outro cidadão deste país e desta cidade... 
Uma onda de ataques contra agentes da lei, civis, e até mesmo disputas de territórios por gangues rivais está ceifando vidas como nunca fora visto! Por outro lado, policiais travam uma guerra contra essas facções. Nem mesmo na época da ditadura militar, se via tamanha violência. Os terroristas da democracia queimam ônibus, atiram em postos policiais, impõem toque de recolher, torturam oponentes, assassinam jornalista (Tim Lopes), e a população fica a mercê de tudo isso.
O governo ao não votar a reforma do código penal, para dar suporte e respaldo ao Executivo, mostra fraqueza. É fraco quando não trabalha para criar leis que sejam adequadas, pois basta ver a situação dos presídios para constatar que é de lá onde a criminalidade faz seu aprendizado... O que temos são leis ultrapassadas que só faziam sentido no inicio do século XX. 
Creio que esta cruzada será longa, e infelizmente a meu ver, cobrará um preço muito alto!

quarta-feira, outubro 17, 2012

*Amor Surreal - Nas Bênçãos do Céu



Eis que um amor abrasador nos aguarda...
Com todos os ardores n’alma a crepitar;
Estamos em um delírio e alma extasiada,
Apenas a solidão, e o céu a contemplar;
Mais as estrelas, com uma lua adornada,
E este momento raro, de sonho realizar!

                    Tu, ó minha flor, minha dama enamorada,
                    Alimento da minha carne, e meus amores!
                    Ao som das cítaras e desta noite almejada,
                    Carrega em tu’alma, a chama e os fulgores;
                    Um amor delicioso, singelo na madrugada,
                    E todos os encantos, balsâmicos das flores!

Eis então, como a virgem do conto de fada!
As mãos junto ao peito fazendo uma prece.
Esta flor dos devaneios parece amargurada...
Para que sofrer, se este amor nos apetece?
Nada vai nos separar, linda flor dilacerada!
Para que sofrer, se este amor nunca perece?

                      Anjo da volúpia, graciosa, doce contemplação!
                      Vieste na transparência, de fina veste delicada,
                      Com tuas curvas languidas, imagem de sedução!
                      Cúmplices, e embriagados de amor, estávamos;
                      Carnal volúpia! Ruidosos, sôfregos, de paixão.
                      Com almas sedentas, ao céu juntos entrávamos!



*Do que o Amor não é capaz?

 Imagem: Arthur  Berzinsh
http://caraslegais.wordpress.com/2012/09/27/amor-surreal-de-arthur-berzinsh/




sábado, outubro 13, 2012

Brinquedos do Lixo


Os coletores do lixo logo mais irão chegar. 
O lixo acumulado recolherão bem cedo.... 
Um menino pobre da rua irá esperar, 
Do condomínio quem sabe um brinquedo. 

Mesmo que seja defeituoso ou quebrado, 
O pobre menino ansioso não vai rejeitar. 
Mesmo uma panela, ou um colar usado, 
Para sua mãe, quem sabe a ela agradar...

Menino descalço, pobre e alegre! 
Que com tão pouco se contenta, 
No entanto para ele tudo é festa! 

Os brinquedos que agora são descartados, 
Que um dia foram presentes na vida de outro guri, 
Faz-se presente agora, na vida de outro que ri... 



Doze de outubro comemora-se o Dia da Criança no Brasil. 
Não poderia deixar passar em branco esta data, sem prestar uma homenagem a elas. Crianças que no país estão à mercê da desigualdade social e de um sistema educacional falho. (Um exemplo disso, e para quem não sabe, é que nenhum político matricula seus filhos em escola pública). Crianças que sofrem; que são violentadas, que são agredidas, e tem sua infância roubada, quando desgraçadamente nascem na miséria. Sofrem ainda mais quando lhes faltam opções de um lazer descente e sadio em sua própria comunidade. Crianças que se não tiveram a sorte de nascerem num lar bem estruturado, poderão ser alvo dos lobos sedentos por seu trabalho em uma carvoaria em algum lugar do norte do país, ou a serviço da criminalidade. A base da educação está no lar. E é no lar que a criança deve ser educada e preparada para um futuro que a dignifique. “São sementes, e serão frutos bons se também a terra estiver bem preparada”. Não raro, vejo crianças andarilhas nas avenidas mais movimentadas pedindo esmola ou vendendo bugigangas para o sustento da família. Outra cena apocalíptica é ver nos aterros e nos lixões, elas revolvendo os monturos para encontrar algo que seja útil, ou até mesmo restos de alimento. Uma cena muito tocante para mim foi quando num condomínio próximo, obervar que no horário da coleta do lixo, estavam lá algumas delas aguardando o caminhão chegar. Crianças paupérrimas esperavam que os coletores lhe separassem um brinquedo, mesmo defeituoso ou quem sabe uma panela usada, ou outro utensílio de uso doméstico para levar para a mãe. 


Imagem:


Este poema faz parte da II Coletânea Textos Seletos
Editora Pensata 2010


segunda-feira, outubro 08, 2012

Esfinge


Solene, tu observas uma caravana passar... 
Do alto de teu semblante, divino e ostentoso,
Que o tempo teimoso ainda ousa escavar,
E deste enigmático olhar, divino e tenebroso...

Certo ar de mistério aterrador, te faz majestosa...
Quem desvenda o mistério de teu distante olhar?
Óh quimera de míticos deuses, de Tebas gloriosa,
E de um segredo oculto, de séculos a desvendar!

Tu passaste quase intacta pelos bacanais faraônicos,

E nas lembranças da praga furiosa cair sobre o povo;
Que tu indiferente, presenciaste dos deuses atônitos, 
Vendo cair ao Nilo, com mortandade, sangue e fogo! 

Tu observas vidas atravessando, em dores e agonias,
Os amores, as guerras, o auge, o declínio e má sorte... 
Não fingiste, porém, quando eras tu naqueles dias, 
A protetora e guardiã dos filhos, da vida e da morte! 


A mais popular esfinge brasileira é a Pedra da Gávea, localizada no Rio de Janeiro, na Baía de Guanabara. No alto de uma montanha granítica, está um ser, cujo corpo bovino ostenta uma colossal cabeça humana. Alguns acreditam que seja uma formação natural, outros acham que é obra de seres humanos em tempo remoto.
A Esfinge brasileira esconde segredos indecifráveis. Muitos dos seus mitos ainda são especulações. Mas a esfinge brasileira oculta muito segredos que cativa os visitantes. Qual a chave para decifrá-los?
No século passado encontrou-se nas paredes da montanha uma série de riscos que alguns estudiosos interpretaram como uma antiga inscrição. Alguns atribuiram-na aos fenícios, povos navegantes do Mediterrâneo, que acidentalmente chegaram às costas do Brasil, antes que Pedro Álvares Cabral.



quarta-feira, outubro 03, 2012

Os Sapos


Já é tardezinha,
Estou chegando do trabalho...


 Venho da grande cidade.
Venho do seu burburinho,
Do apito, sirene, e da agitação.

E pra falar a verdade,
Estava de “saco bem cheio”,
Com tanto barulho por lá,
Com todo o agito urbano,
Com tanta poluição...


Estou muito ansioso,
Para em casa estar.
É como adentrar ao um Plano,
Doutra esfera, doutro rincão...

 É quando me aproximo de um lago,
Junto a estrada de terra
Daquilo que ainda restou...


 As máquinas e todas as obras,
As vigas e o chão de concreto,
Destroem o ecossistema
Que a fauna e a flora dotou.

Vejo uns sapinhos ligeiros,
Vindo em minha direção;
Parecem ao meu pensamento
Darem boas vindas a mim,
Ao um reino de linda visão.

Assusto-me com as criaturas!
Mas paro pra elas olhar...
Não sabem o que lhes aguarda
Quando o progresso chegar...


 Reflito por um instante,
Em nosso planeta a girar,
Levando num vasto universo;
A fauna, a vida e a flora,
Que Deus permitiu ao homem
Que tudo pudesse cuidar...

Já é tardezinha, sei disso!
Mas resolvo neste momento,
No mato sozinho adentrar...

Preparo a alma e contrito,
Como a uma orquestra de gala;
Por entre as folhas olhar!

Assisto como em camarote,
Todos os sapos do lago,
No lago p’ra mim  coaxar !



E assim foi que, o pequeno lago situado numa zona rural do bairro de Laranjeiras, no município de Caieiras, durou até quando a especulação imobiliária resolveu encerrar de vez aquele pequeno paraíso; universo das rãs, sapos, e algumas espécie de aves...
Hoje predomina ali, um conjunto residencial. A natureza primitiva ficou enterrada no passado. Ao invés do coaxar dos anfíbios à noite, sobrou aos nosso ouvidos, o ronco dos motores...



quinta-feira, setembro 20, 2012

Contágio


Na liberdade de expressão, o circo pega fogo!
Muitos querem que o circo queime literalmente. O nosso circo do dia a dia.
Assim é que, com toda a polêmica envolvendo radicais religiosos do mundo inteiro, mais os intelectuais do politicamente incerto, já não bastava um filme de péssima qualidade para jogar mais combustível na fogueira das insanidades.
Não bastava a caricatura de um ícone do islamismo, o profeta Mohammed.
Não, não bastava.
Os provocadores usando da premissa de que vivem em território onde pode tudo e tudo pode, insurgiram-se contra o bom senso e a razão que dizem possuir e resolveram apelar para o egocentrismo que, em nome da liberdade, fraternidade e igualdade, mas também em nome de preconceitos, ódio, intolerância e CIFRÕES (do árabe Cifr), constroem uma canaleta por onde mais sangue vai escorrer...
Eles sabem disso... Quando digo eles, são eles mesmos...

                                                          
Contágio

Mora no coração humano
Um verme, um parasita.
Que se alimenta da...
Insanidade,
Da ingenuidade;
Do fanatismo;
Da malícia,
Da perversidade,
Das mentiras...

E defeca depois,
A mais pura maldade...
Em atitudes,
Em palavras;
Nos falsos conceitos,
De sua liberdade!

Este verme destruidor,
E predador;
Voraz e aniquilador;
Quer destruir as mentes
Manifestando-se
Em arrogância, em soberba;
Em altivez; em raiva e ódio,
Em preconceitos, no racismo;
Na insolência...

Numa falha ou numa brecha,
Do coração contaminado,

Pode ocorrer que,
Este ser (in) desejado,

E com uma boa dose de Amor
De prudência, sensatez,
Coerência, mais serenidade,

Possa ser contagiado.
Sendo então enfraquecido,
Podendo então ser destruído;
Expurgado!
E do coração,
Momentaneamente extirpado...

terça-feira, setembro 04, 2012

Fruto da Alma


Nesta fria tarde, ao som duma Ave-Maria,
O badalar dos sinos, parece uma canção.
Um canto choroso, e uma triste desolação,
Sussurra nesta alma, saudosa melancolia!

Senti tua ausência, e que tanto me acalentou,
Nas letras do poema e o amor que não morreu.
Agora com a lembrança do amor que foi só teu,
E uma lágrima vertida por quem tanto te amou.

Hoje esta tarde desperta um sofrimento,
Trazendo um dissabor, agora este lamento;
E esta Ave-Maria parecendo triste cortejo!

Chegara n’alma, enfim, este dia indesejado,
Um sonho interrompido, fim de nosso legado;
Aquilo que nos uniu, e fruto de nosso desejo!



*Virgínia - Pintura de Miguel Avataneo

segunda-feira, agosto 20, 2012

Sonho Cativo

Ou Poesia Brega...




Carrego um segredo oculto, sofredor e verdadeiro,
Como um amante perdido, pela noite, mergulhado;
Numa intensa paixão, ao mesmo tempo prisioneiro,
Por este amor oculto, e um desejo enclausurado...

Em meu sonho há um jardim, tristonho e desolado.
É um segredo cruel e silente, dum fogo alvissareiro,
Fazendo viver um amor, tão sofrível e amargurado;
Como um espinho na carne, doloroso e verdadeiro...

Eis que este amor, tão intenso quanto profundo,
Minha desventura, o meu sonho, uma quimera;
É o meu triste viver, pois dum sonho é oriundo,
Nesta via dolorosa, que alucina e me encarcera...

E assim quando vem a noite, refém serei do tédio...
Sonharei com aqueles lábios, suaves a me beijar,
Com beijos ardentes, feito um balsâmico remédio;
Fazendo nascer em mim, o desejo de lhe tocar.

E neste sonho feliz, com a amada do meu segredo,
Parece que sinto seu corpo, faminto se entregar.
Pois seu vulto atrás da cortina, figura deste enredo,
Ascende aos meus desejos, como ao céu pudesse chegar.


sábado, agosto 11, 2012

Antes de Qualquer Coisa...


Pai...

Antes que cale minha voz
Quero a ti confessar...
Que nunca é tarde demais
Um beijo, um abraço lhe dar!

Não quero deixar um segundo,
Perder-se sem nada falar...

E antes que o dia acabe
Quero um nó apertado,
De minh’alma p’ra sempre livrar...
E desate, com todos os prantos
P’ra minh’alma contigo estar...

E se a ti eu hoje abraçar,
E dizer o quanto te amo
Mesmo que as diferenças;
Venha a nos separar,

Que seja esse dia então,
O mais puro ou mais terno do ano!
E que este nó preso em minha garganta
Desate num pranto sereno,
Para a alma quem sabe lavar...


sábado, julho 21, 2012

Comunhão Bendita


Este teu Amor puro jamais vacila,
No teu Ser sempiterno e Augusto.
Trazes consigo com flores e a vida,
Teu Ser amoroso, singelo e justo!

Vieste com os santos óleos do amor,
Vieste n’alma os meus lábios ungindo.
Vieste em Luz, em beleza, esplendor,
Com tua amizade minh’alma cingindo.

É o grande desejo, profundo imenso,
Que as tuas mãos pueris, cravejadas;
Trazem com a mirra, ouro e incenso,
Relíquias dum afeto, sutis e sagradas!

Mãos que eu amo na imensa distância,
São mãos que estendem à Paz, alegria!
Onde aconchegam em doce fragrância,
Minh’alma cansada em pura harmonia!


sábado, julho 14, 2012

Provarei dos teus Segredos


Mas que corpo gracioso e cheio de esplendor!
Pois nele vagam os meus sonhos fascinadores,
Concebidos na beleza de seu jardim, de sua flor,
Com todos estes desejos, vulgares e pecadores.

Seu corpo adornado, gracioso, são os devaneios!
São todos os sonhos, de um amor extravagante.
Ó, lábios! Ó frutos maduros! E estes lindos seios,
Que tanto aguçam minh’alma, faminta e delirante...

E já disserem que tua flor, de pétalas viçosas,
Suave como veludo, desperta Santos Desejos?
E que esta tua boca sensual, rosa como as rosas,
Sugere divinamente, os mais profundos beijos?

Ah, como tens os lábios mais bonitos e carnudos!
Lábios viçosos, da volúpia ardente, e tão rosados!
E teus seios dos deleites carnais, angélicos e puros?
-São frutos da sedução felina, gostosos e depravados!

Não sei se há fruto tentador, sublime, e apetitoso,
Nesta visão, aonde eu, e em êxtase sonhando,
Em teu corpo fremente, acolhedor, miraculoso,
Lanço-me de cabeça, em amor tantalizando...

Como néctar, provarei de tua flor, rósea, aveludada.
Flor de aromas, das fragrâncias, deste meu devaneio!
Em minh’alma, com seus aromas, que de ti agraciada,
E com os versos finais, deste amor que tanto anseio!


*Imagem: Conto Erótico, Vladimir Kush



domingo, julho 08, 2012

Gênesis - A Partícula de Deus


No princípio era o Todo
Manifesto no Tudo.
A semente era lançada;
Palavra do Verbo Divino.
Regada, rompia-se,
Rasgava-se,
Em formas abstratas.

Era obra do trabalho
Da engenharia absoluta
Obra dum Artista
Erigido nos confins do nada.

Dos sentimentos profundos,
Era o “Sopro Divino”
-Era a Doce Dádiva.

No princípio das Eras
Era ela, a Palavra
Filha do Amor Primeiro
Da matéria prima
Absoluta e necessária.

Misturada aos elementos
Dessa receita divina
Sacrossanta e pura
Surgia a essência elementar
Princípio de nossa aventura.






domingo, julho 01, 2012

Menos Eu

Eu,
Detestando quem difere de mim.
Eu, tão cheio de ego,
Eu, e meu coração.
Eu, gritando bem alto:
Separação!

Eu, você, nós, e os preconceitos,
Que carrego no peito,
Tamanha ostentação.
E na alma eleito,
Junto com arrogância,
Sem essa de “nosso irmão”!

Ah... mas e quando tudo acabar?
E se o mundo acabar amanhã?
Se o além é o nosso destino,
O que de mim restará?

-Renascerei noutra esfera!
Ou quem sabe noutro canto da terra,
Onde meu Eu seja sempre,
O mote a me exaltar!

Este meu ser altivo, orgulhoso,
Vaga pelo infinito,
No olhar de quem subjulga...
De quem vive a alcançar as estrelas...

Neimar de Barros nasceu em Corumbá, Mato Grosso do Sul e foi muito conhecido como produtor de televisão da equipe de Senor Abravanel (Silvio Santos). Até o início da década de 1970, criou e produziu vários programas de grande audiência, como Cidade contra Cidade, Boa Noite Cinderela, entre outros. Em 1971 foi convidado a participar de um encontro dentro da Igreja Católica, na época chamado de cursílio. Como ateu, ele aceitou desafiar o convite dizendo que só acreditava no que podia ver. No terceiro e último dia, depois de ter incomodado o encontro, foi desafiado a ir pra capela. Lá, sentiu uma forte necessidade em ajoelhar-se, uma grande emoção o tomou e ali naquela hora aconteceu o início de sua conversão.
Mais tarde tornou-se famoso como escritor de livros religiosos, onde destacou-se o best-seller Deus Negro, que vendeu mais de 4 milhões de exemplares. Em 1975 contraiu uma tuberculose e foi aconselhado a se tratar em Campos do Jordão, onde posteriormente resolveu residir por 11 anos. Lá fundou o Instituto M.E.A.C., missionários para evangelização e animação de comunidades, sendo o principal pregador, e durante 14 anos desenvolveu um trabalho missionário dando cursos e palestras em mais de quatro mil cidades. Publicou mais de 10 livros, sendo vários em espanhol. Chegou uma fase ruim em sua vida, e como um ser humano normal teve várias desilusões culminando numa profunda crise, associado ao estresse do trabalho e sua separação no casamento, o que potencializou ainda mais o seu estado emocional e o despertar de uma doença neurológica descoberta 18 anos mais tarde, o Mal de Alzheimer.
Anos depois reapareceu na equipe do programa televisivo de Silvio Santos, trabalhando como produtor.
Neimar de Barros faleceu no dia 06/05/2012 e deixou um exemplo de que todos nós somos errantes, falhos e que muitas vezes acertamos e fracassamos, mas que, no entanto devemos perdoar sempre que possível nossos desafetos.


Minha singela homenagem ao poeta e escritor Neimar de Barros, e sua obra prima Deus Negro.


sexta-feira, junho 08, 2012

Alma de Cigana


Tu’alma graciosa, que dança junto à fogueira,
Dos anjos, da ternura; do desejo, dos amores,
Exala o perfume com a fragrância da roseira;
Com o encantamento dos poemas e louvores!

É teu corpo de cigana, a beleza que alucina!
Tu és bela e a fina flor, para todos sensação,
Feito flor esplendorosa sedutora e feminina,
Desperta os olhares e ainda traz inspiração!

Sinto tua graça, como flor desabrochada!
E na sublimação, com seu corpo sedutor,
O néctar para alma, vaporosa e adornada.

Pois a visão que tenho ao te contemplar,
É a beleza mais formosa dentre as flores,
Atiçando as brasas, neste fogo alimentar!


sábado, maio 26, 2012

Orgia dos Deuses


Deuses! Que tão felizes, poderosos e replicantes!
Que adornam altares, nos templos e tantos vários,
Dos sonhos exuberantes, sensuais e fascinantes
Deuses brincalhões, iracundos, tão sanguinários!

Deuses! Nos ais desta dor, que parece um castigo
Que embalam nossos sonhos numa luz que irradia
Eram vós como a chama duma esperança, e abrigo
Era como via em vós, quando em dores de agonia!

São todos os sonhos cultivados em nosso jardim
Que florescem num mundo de utopia e almejados
São os sentimentos pueris, ingênuos que há mim
Que permeiam nestes sonhos, infantis, alucinados!

Vinde para esta vida, das luzes doces frementes!
Olhai esta seara, das terras estéreis, abandonadas,
De amores encerrados, fenecidos e transcendentes,
Vinde ver esta terra d’almas pobres e desgraçadas!

Às vezes em minh’alma, este amor que me apetece
Pulsa em meu coração por um mundo que tanto luto
Talvez sejam inspirações, sublime que mais parece
As Bem-Aventuranças de um amor que tanto escuto!