sábado, outubro 13, 2012

Brinquedos do Lixo


Os coletores do lixo logo mais irão chegar. 
O lixo acumulado recolherão bem cedo.... 
Um menino pobre da rua irá esperar, 
Do condomínio quem sabe um brinquedo. 

Mesmo que seja defeituoso ou quebrado, 
O pobre menino ansioso não vai rejeitar. 
Mesmo uma panela, ou um colar usado, 
Para sua mãe, quem sabe a ela agradar...

Menino descalço, pobre e alegre! 
Que com tão pouco se contenta, 
No entanto para ele tudo é festa! 

Os brinquedos que agora são descartados, 
Que um dia foram presentes na vida de outro guri, 
Faz-se presente agora, na vida de outro que ri... 



Doze de outubro comemora-se o Dia da Criança no Brasil. 
Não poderia deixar passar em branco esta data, sem prestar uma homenagem a elas. Crianças que no país estão à mercê da desigualdade social e de um sistema educacional falho. (Um exemplo disso, e para quem não sabe, é que nenhum político matricula seus filhos em escola pública). Crianças que sofrem; que são violentadas, que são agredidas, e tem sua infância roubada, quando desgraçadamente nascem na miséria. Sofrem ainda mais quando lhes faltam opções de um lazer descente e sadio em sua própria comunidade. Crianças que se não tiveram a sorte de nascerem num lar bem estruturado, poderão ser alvo dos lobos sedentos por seu trabalho em uma carvoaria em algum lugar do norte do país, ou a serviço da criminalidade. A base da educação está no lar. E é no lar que a criança deve ser educada e preparada para um futuro que a dignifique. “São sementes, e serão frutos bons se também a terra estiver bem preparada”. Não raro, vejo crianças andarilhas nas avenidas mais movimentadas pedindo esmola ou vendendo bugigangas para o sustento da família. Outra cena apocalíptica é ver nos aterros e nos lixões, elas revolvendo os monturos para encontrar algo que seja útil, ou até mesmo restos de alimento. Uma cena muito tocante para mim foi quando num condomínio próximo, obervar que no horário da coleta do lixo, estavam lá algumas delas aguardando o caminhão chegar. Crianças paupérrimas esperavam que os coletores lhe separassem um brinquedo, mesmo defeituoso ou quem sabe uma panela usada, ou outro utensílio de uso doméstico para levar para a mãe. 


Imagem:


Este poema faz parte da II Coletânea Textos Seletos
Editora Pensata 2010


25 comentários:

Ivone Poemas disse...

Bem colocada as palavras nos versos desse soneto, que pena que é assim, que pena né meu amigo?
Seria tão bom nunca mais ver essas tristes cenas, nossas crianças pequenas e pobres, nos corta o coração, também me sensibilizo com isso!
Beijos!

Flor de Jasmim disse...

Excelente a forma como nos transmites esta triste realidade!
infelizmente em Portugal cada vez existe mais crianças e adultos a viverem miseravelmente, comove-me o sofrimento da pobreza que infelizmente atingiu varias pessoas da minha familia.
Bom fim de semana meu amigo

beijinho e uma flor

Poetisa da Paz disse...

Olá Antonio! Um soneto comovente expressando a nossa triste realidade , mais triste ainda é para a criança que a vivencia . parabéns pelo seugrito!

bjss!

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido Poeta

Uma realidade triste e chocante infelizmente as crianças não são tratadas como merecem e têm direito a isso.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Cristian Lisandru disse...

Bem, você encontrou! Idéia muito interessante que você deixou. Uma postagem que incita à reflexão. Com respeito.

Maria Rodrigues disse...

Meu amigo poeta, quanta desigualdade existe por esse mundo fora, quantas crianças que passam pela vida sem conhecer o verdadeiro sentido da infância, uma triste e dolorosa realidade que infelizmente parece que se alastra cada vez mais.
Belissima homenagem a esse dia tão especial.
Bom domingo
Beijinhos
Maria

O Profeta disse...

Lindo...

Lorena Viana, disse...

Compartilho do seu pensamento! Aqui em casa essa data não é representada pelo consumismo voraz. Eu tiro para brincar e me diverti.

Essa data era pra ser conscientização de o quanto devemos para nossas crianças. Em um sistema falho, onde a educação e nem a saúde é preservada, não adianta fechar os olhos com brinquedos. Devemos clamar os direitos das crianças.

Brinquedo quebra e é uma fase pequena que logo passa. Precisamos de saúde e EDUCAÇÃO!

Beijo no coração!

Luna disse...

ainda há tantas crianças que sofrem, deveria ser proibido o sofrimento das crianças
bjs

Celina disse...

Amigo poeta Antonio , paz para todos, realmente amigo isso nos deixa triste, a desigualdade social, nas cidades existe campanhas todos os anos nas escolas nas igrejas nas repartições mais não da para suprir, é realmente triste vê uma carinha triste de uma criança, quando doente ou desejando algo, como um brinquedo Um abraço fraterno Celina.

vendedor de ilusão disse...

Olá caro amigo,
Venho mais uma vez agradecer sua honrosa participação no 1º Prosas Poéticas; foi pra mim um fato que só causou satisfação e deu muito orgulho. Muito obrigado!
Aproveito para lhe desejar uma ótima semana, assim como, lhe dar meus parabéns pela magnífica postagem.
Abraço e até mais!

Tina Bruxinha disse...

O sonho de ter uma boneca que chora ou uma bola colorida...sempre irá habitar no coração da criança...apesar da evolução dos tempos...e da propaganda desenfreada do consumismo...Parabéns por dedicar um pouco do teu tempo...para elaborar texto de tamanha reflexão...que certamente irá mexer com muitas emoções...Podes crer...hoje meu coração de criança teve desejos de brincadeiras da infância...Abraços...

ValériaC disse...

Realista e comovente por demais seu poema, querido amigo!
Triste a realidade de tantas crianças não só pelo Brasil, mas pelo mundo. Triste isso.
Boa semana amigo, beijos,
Valéria

O Árabe disse...

Uma bela homenagem, irmão! Cuidemos das nossas crianças, ou triste será o nosso futuro! Meu abraço, boa semana. Salam Aleikum!

LUZ disse...

Olá estimado António,

Falou uma das muitas vozes da sua alma.
Triste realidade, mas existe.
O lixo de outros, pode ser adubo, felicidade para outros.
No Dia da Criança no Brasil, que já passou, pensemos num cenário diferente nos anos vindouros.
Pensemos e façamos com que essa situação se modifique.
Não são necessários brinquedos topo de gama, não. As crianças são felizes com pouca coisa, se a tal os habituarmos. Basta ensiná-las a amar uma boneca ou um pequeno carro.

HÁ QUE MUDAR MENTALIDADES. CABE AOS PAIS E À ESCOLA ESSA TAREFA TÃO IMPORTANTE.

Queremos meninos e meninas felizes, de olhar luzidio e com colares de esperança multicolor, envolvendo seus corpos e mentes.

Boa semana.
Beijos da Luz, com estima e apreço.

Lorena Viana, disse...

Tuas palavras, caro amigo... soa com suavidade em uma mistura de afeto e alegria, dentro da alma!

Linda amizade estou fazendo e construindo, aqui na blogosfera.

Obrigada pelas felicitações e pela o carinho que demostrou com minha joia rara (filha)!

Um lindo e abençoado dia!
Grande beijo.
Lorena Viana

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Aorei este teu texto, António e infelizmente aqui por causa desta crise já há muitas crianças a irem para a escola pública sem comerem; o que as salva é que algumas já estão até a oferecer café da manhã. Faço voluntariado numa lojas social criada pela autarquia ( prefeitura, aí, câmara municipal aqui ) onde vão as pessoas sinalizadas pela assistente social buscar alimentos e roupas. Vejo crianças que lá vão e ficam felicissimas com um simples brinquedo ou um livro, lápis de cor etc que as pessoas que já não têm crianças vão lá levar. Agora por exemplo estamos sem alimentos; a loja funciona só com doações e alimentos a spessoas não dão; levam lá muita roua e brinquedos, porque estrvam em casa; os alimentos conseguimos com peditórios que fazemso junto dos supermercados, mas isso só acontece quando eles autorizam. Enfim...aqui a crise está deixando muita gente sem ter o que comer, pois o desemprego é elevado e as crianças coitadas são as que mais sofrem. Parabén por este post que é uma chamada de atenção para todos nós. às vezes com muito pouco podemos fazer feliz uma criança; hoje só com 7 euros eu levei muita fruta e alguns legumes para a loja. Faz-me falta? Claro que não. Só a satisfação de ter proporcionado alegria a algumas pessoas que lá foram encheram o meu dia de contentamento. Beijinhos, amigo e fica bem!
Emília

SILÊNCIO DA MINHA ALMA disse...

António Lindas palavras tanto no poema como o texto uma excelente forma para se trnsmitir uma triste realidade que paira por essse mundo fora.
Um abraço
Santa Cruz

Ange disse...

Estou ausente, mas sempre presente...
Obrigada por sua amizade e belas palavras dirigidas a mim!
Volto logo!
Deixo-te meu carinho de sempre!
Ange.

ONG ALERTA disse...

Uma dura realidade bem ilustrada,abraço Lisette.

Madalena Luz disse...

Emocionante o seu poema que reflecte uma triste realidade não só do seu país mas do mundo em geral, bem haja António pelo que nos transmite.
Madalena Luz

Clik disse...

Antonio meu Amigo!

Um Poema lindo, contêm a realidade,

triste em nosso País, sua inspiração

nos coloca em reflexão sobre nossas

Crianças pobres, precisamos Amar

mais.

Deus abençoe sua semana.

Olinda Melo disse...


Caro Antônio

Além deste oportuno poema

que aponta uma das maiores incongruências do mundo de hoje que é o desperdício; enquanto uns deitam fora coisas ainda boas, outros vão vasculhar no lixo aquilo que a vida e a sociedade não lhes proporciona, o que é muito duro especialmente quando se trata de crianças,

oferece-nos também um extraordinário texto explanando essa mesma incongruência, sendo as crianças as maiores vítimas dum mundo cada vez mais desumanizado.

Obrigada, meu amigo, por esta chamada de atenção que nos sensibiliza a todos.

Grande abraço.

Olinda

MEU DOCE AMOR disse...

Uns com tanto e outros sem nada.

Toninhobira disse...

Quando meu filho era pequeno eu fiz um passeio com ele proximo a um lixão,para que ele entendesse um pouquinho o que se passa com estes desprovidos de toda sorte.
Aqui a verdade com sua otima reflexão poetica.
Triste realidade Lidio.
Bom lhe ver amigo,que esteja sempre inspirado e em paz.
Meu terno abraço.