quarta-feira, outubro 03, 2012

Os Sapos


Já é tardezinha,
Estou chegando do trabalho...


 Venho da grande cidade.
Venho do seu burburinho,
Do apito, sirene, e da agitação.

E pra falar a verdade,
Estava de “saco bem cheio”,
Com tanto barulho por lá,
Com todo o agito urbano,
Com tanta poluição...


Estou muito ansioso,
Para em casa estar.
É como adentrar ao um Plano,
Doutra esfera, doutro rincão...

 É quando me aproximo de um lago,
Junto a estrada de terra
Daquilo que ainda restou...


 As máquinas e todas as obras,
As vigas e o chão de concreto,
Destroem o ecossistema
Que a fauna e a flora dotou.

Vejo uns sapinhos ligeiros,
Vindo em minha direção;
Parecem ao meu pensamento
Darem boas vindas a mim,
Ao um reino de linda visão.

Assusto-me com as criaturas!
Mas paro pra elas olhar...
Não sabem o que lhes aguarda
Quando o progresso chegar...


 Reflito por um instante,
Em nosso planeta a girar,
Levando num vasto universo;
A fauna, a vida e a flora,
Que Deus permitiu ao homem
Que tudo pudesse cuidar...

Já é tardezinha, sei disso!
Mas resolvo neste momento,
No mato sozinho adentrar...

Preparo a alma e contrito,
Como a uma orquestra de gala;
Por entre as folhas olhar!

Assisto como em camarote,
Todos os sapos do lago,
No lago p’ra mim  coaxar !



E assim foi que, o pequeno lago situado numa zona rural do bairro de Laranjeiras, no município de Caieiras, durou até quando a especulação imobiliária resolveu encerrar de vez aquele pequeno paraíso; universo das rãs, sapos, e algumas espécie de aves...
Hoje predomina ali, um conjunto residencial. A natureza primitiva ficou enterrada no passado. Ao invés do coaxar dos anfíbios à noite, sobrou aos nosso ouvidos, o ronco dos motores...



39 comentários:

BlueShell disse...

É assim...n aminha aldeia, era um paraiso...mas cada vez mais parece ua zona de guerra! É triste!
Abraço~BS

Lorena Viana, disse...

Linda representação e homenagem ao lugar que deixou de ser natural e passou a ser mobiliário.
Querido moro em um lugar que a natureza ainda é bem predominante, tem pouco impacto imobiliário, a estrada é de carroçal, constantemente recebemos visitas de bois, vacas, carneiros... e não é longe do centro. Mas só em ser afastado, já é de bom tamanho. Não escultar aquela barulheira, viver ao som de grilos e passarinhos, o que mais peço na minha vida.

Fico chateada quando o impacto imobiliário acabava com um lugar. O pior que as pessoas deveriam plantar, pelo menos para amenizar, mas nem para isso lhe sobre tempo!

Um beijo enorme e com muito afeto!
Um dia cheio de dádivas...
Lorena Viana

Luna disse...

decididamente onde o homem põe a mão destrói,e a destruição é bem para além dos nossos olhos, pois derrubamos muitas vidas, em nome da evolução eu diria involução
beijinhos

Ivone Poemas disse...

Poeta querido Antonio Lídio, lindo poema, é uma pena que seja assim, em todos os lugares, pois creia, ainda existem paraísos aqui na Terra, mas cuidemos para que o homem nunca os alcance, cuidemos!!!
Abraços amigo poeta sensível, sua alma grita tanto quanto a minha, que pena que vemos somente isso, destruição da natureza, mas acredite, a natureza jamais se rende, jamais!!!
Ivone

Mery disse...

Dói ver essa destruição do meio ambiente...Escreveste tão bem!
"Até parece que estou vendo "tud e conforme lia o texto poético..."vontade de chorar! De gritar...
Dizia uma música antiga do Roberto Carlos :
- "Não sou contra o progresso, mas apelo pro bom senso'""
(mais ou menos isso)
Salve a Natureza! que os homens se conscientizem "preservem mais, em nome da Vida* da Gente.
beijinhos

LUCIENE RROQUES disse...

Antônio parabéns pela poesia realistica A arvore, postadada no sit do Adriano.
Boa semana.
Um grande abraço!

Clik disse...

Meu Amigo António!

Que linda Poesia, inspirada por

uma triste Realidade, é pena

que vai acontecer sempre isso!

O Homem destruindo.........!

Por favor meu e-mail :
clikweb@live.com
me copia para te mandar a foto

do Parque do Carmo, poi coloquei
outra foto no blog!
te mando com todo o prazer Amigo!
DEUS abençoe seu dia!
Adriano.

Vi disse...

E ainda dizem que o poeta é um vulto delirante! Belíssimo poema!
Progresse e Retrocesso não apenas rimam, mas parecem estar se fundindo em sinonímia. Uma pena! Ou a extinção de todas elas...

Vi
www.bardodataverna.blogspot.com.br

Vi disse...

Te seguindo e linkando!

Vi
www.bardodataverna.blogspot.com.br

Flor de Jasmim disse...

Comovente!
A tua sensibilidade e grandiosa meu amigo!

Infelizmente assistimos todos os dias à destruição provocada pelo ambição do homem.

Sabes que vivo junto a uma floresta e campo, adormeço todas as noites ao som das rãs, são imensas, mas também tenho duas dentro da vasilha da água onde a minha cabra bebe, vejo-as todos os dias, tenho algumas fotos delas.

Beijinho e uma flor

Rita disse...

(⁀❤‵⁀,) ✫✫✫..! ♥
.`⋎´✫✫¸.•°*”˜˜”*°•.✫❤
Que bonito fazer algo sobre os
sapinhos que em coro cantam pra vc
um poema bem fofo, gostei de ler
Abraços com carinho meu amigo
Bjuss
Rita!!!

✫¸.•°*”˜˜”*°•.✫❤✫

Evanir disse...

Boa Tarde meu amigo Querido.
Hoje ao chegar no seu blog para avisar ,que vou fazer postagem hoje do seu poema.
Amigo..cheguei aqui vi seu ultimo poema só não peguei esse por vc ter acabo de postar.
Eu sei tenho tantas oportunidades de postar seus poemas logo volto para pegar esse ultimo também,pois é uma grande lição em forma de poesia.
Beijos no coração,Evanir.

Cigana Raicha disse...


Oi boa tarde!!
Estou passando para agradecer tua visita, e também para te desejar uma semana abençoada, com muita alegria, amor e tudo de bom !!
Bjs, e fique com Deus !!
Optchá!
Cigana Raicha
http://ciganaluminosa.blogspot.com.br/

http://www.facebook.com/elainedossantos.santos.52

Cigana Raicha disse...


Oi boa tarde!!
Estou passando para agradecer tua visita, e também para te desejar uma semana abençoada, com muita alegria, amor e tudo de bom !!
Bjs, e fique com Deus !!
Optchá!
Cigana Raicha
http://ciganaluminosa.blogspot.com.br/

http://www.facebook.com/elainedossantos.santos.52

vieira calado disse...

Minha 1ª visita. Espero voltar!
Um abraço!

LUCIENE RROQUES disse...

Agradeço as palavras.
Bom final de semana.
Um grande abraço!

Iremar Marinho disse...

Amigo Antônio Lídio, fico muito feliz com sua presença e sua opinião, no Bestiário Alagoano, como sou feliz ao visitar este belíssimo blog Vozes de Minha Alma. Parabéns por este sublime e instigante poema Os Sapos. Retribuo seu fraterno abraço.

SOL da Esteva disse...

O teu Poema é o grito da Natureza que se vai esvaindo.
Sapos? Pois vamos engolindo sapos enquanto "comem" pausadamente (???)os seus habitats.
Não deve estar longe o dia em que se tem de pagar para ver um sapo.
Bravo, Amigo.


Abraços


SOL

Rose disse...

Linda postagem, a natureza é dádiva de Deus.deixo o convite para conhecer meu espaço de sonhos e realidades... Abraço!

Olinda Melo disse...


Meu amigo

Que poema mais belo e oportuno! Com todas as maravilhas que a Natureza nos oferece quão felizes seríamos se toda a gente respeitasse estas dádivas.

Mas a ambição e a ganância falam mais alto e destroem-se habitats naturais, afugentando criaturas que fazem parte do nosso ecosistema, ficando nós mais pobres e solitários.

Esperemos que a sociedade de hoje em dia, ainda esteja a tempo de retroceder, antes de destruir tudo de belo que há neste nosso Planeta.

As imagens que postou junto ao poema foram muito bem escolhidas e ilustram-no bem.


Caro Antônio, agradeço-lhe imensamente os comentários que me tem deixado no Xailedeseda, tão sábios e grande visão. O seu poema, 'No Outono', tão lindo, coloquei-o na parte lateral do blogue. Muito obrigada. :)

Grande abraço e um bom fim de semana.

Olinda

Maria Rodrigues disse...

Infelizmente meu amigo é assim por todo o lado, o interesse financeiro sobrepõe-se sempre ao preservar da natureza. Como disse a nossa amiga BlueShell é tão triste.
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

LUZ disse...

Olá estimado Antônio,

Li seus textos, acompanhados das bonitas imagens, e depois seu poema.

Nem sei por onde começar. Pelo princípio, dir-me-á.
No princípio, Deus criou os céus e a terra e tudo era, inicialmente, um Paraíso, até Adão ter trincado a maçã, isto na perspetiva religiosa e não cioentífica.
Depois, as "coisas" se começam a "complicar", e acho que dai pra frente, tem sido sempre em queda bem descendente.

O mundo, e após a queda do Império Romano mudou, mas nós não demos conta, logicamente, porque faltavam ainda séculos e séculos para nascermos, mas a História regista essa mudança.

Idade Média, um período de um certo obscurantismo, onde tudo era bruxaria, heresia e falta de higiene. A Natureza continuou sofrendo, se agravando, assim o seu estado "de saúde".
Veio a Idade Moderna, entre os séculos XV-XVIII e foi tempo de muitas guerras e sobretudo revoluções, como a Revolução Francesa, e também de alguns avanços técnicos e científicos.
Na Idade Contemporânea vivemos nós e dia a dia, a vida, o mundo e a natureza se degradam.
Culpa de quem? Haveria aqui, uma longa resposta a dar, mas seria enfadonha e muito personalizada.

Evidente que temos de progredir, em todos os setores. A esperança de vida é cada vez maior, mas a chamada "evoluição" está "matando" brutalmente a civilização.

Antônio, agora, a parte "menos" positiva de sua postagem, em minha opinião:os sapos (pior que cemitério).
Tenho pavor de tudo o que rasteja, que salta, tipo gafanhoto e especialmente os sapos me dão nojo, desculpe, e o seu coaxar me atormenta, irrita e me inibe.
As minhas palavras serão, sempre, insuficientes pra descrever o que sinto, em relação a tais animais.

Tenha um restinho de tarde feliz e um bom fim de noite.

Grata por seu erudito, inteligente e terno comentário, no "Luzes e Luares".

Beijos da Luz, com carinho e apreço.

LUZ disse...

Oi Antônio,

Retifico: EVOLUÇÃO e CIENTÍFICA.

Beijos da Luz.

Antônio Lídio Gomes disse...

Estimada Luz, também tenho nojo e asco de certas criaturas da Mãe Natureza, rsrs
A questão é que estes seres rastejantes, os moluscos, os anfíbios e as salamandras, são um termômetro natural da vida no planeta.
Foi o que tentei externar ao escrever o poema.
Creio que o dia em que estes seres não mais existirem no reino animal, então será o nosso próprio fim...
Dá-me calafrios em saber, por exemplo, que as calotas polares estão derretendo, e com isso, extinguindo num futuro toda uma cadeia marinha.
O professor Peter Wadhams, da Universidade de Cambridge, disse à BBC que as implicações do degelo são graves: a maior área de água aberta reduz o albedo médio (refletividade) do planeta, acelerando o aquecimento global; e nós também estamos vendo a água aberta causar derretimento do permafrost (solo composto por terra, gelo e rochas congelados), liberando grandes quantidades de metano, um poderoso gás causador do efeito estufa.

Um beijo e um abraço.

LUZ disse...

Querido Antônio,

Sim, eu compreendo a sua explicação, que é científica e que é inteiramente verdadeira, mas sapo, NÃO.
Nunca tive contato com esse animal, nem qualquer trauma com ele, mas não consigo nem sequer imaginar chegar perto, só.
Se fosse gato ou burro, estava lá a todo o instante e até poderiam dormir na minha cama, que é grande.
Infantilidade e muito mimo, né? Eu sou assim mesmo.

Tenha um bom fim de semana e boa votação, no domingo.

Beijos da Luz, com apreço e carinho.

FATIMA WINES disse...

Caro António,

Um poema que fala do ambiente, da diversidade e, do bem maior que é a humanidade.
O mundo "despido" de humanos se sapos e outros "entes" da natureza se forem.Outrora, achava repelente cruzar-me com cobra ou outros rastejantes.Porém, hoje não penso assim e, aprendi com o meu amigo Otto que o santuário da natureza é, em linguagem de economista/contabilista, o activo incorpóreo mais valioso para todos nós.
Em homenagem ao meu grande amigo, deixo este link (fruto do seu trabalho)www.hahn-Film.de
Um abraço,

Poetisa da Paz disse...

Bom dia Antonio! Parabéns pelo grito. Hoje moro numa pequena cidade onde acordo com o canto dos pássaros, do galo, embora no sendo no sertão onde a seca predomina, ainda posso assistir a dança das árvores, ver joão de barro em seus ninhos . Parabéns pelo postado! Obrigada por seguir meu blog!
Bjss!

vendedor de ilusão disse...

Olá caro amigo, bom dia!
Hoje, já com saudade, publiquei o encerramento do Prosas Poéticas registrando, de público, a minha opinião e meu agradecimento a todos os participantes do evento. Se puderes, dê uma olhada.
De qualquer forma, já que estou por aqui, queria aceitar meu agradecimento por sua participação, que, além de dignificante e honrosa, foi brilhante. Saibas também de que não foi só lisonja que a mim causaste, – foi muito além; senti júbilo por ter tido a felicidade e a oportunidade de divulgar sua admirável criação...
Abraço e até mais!

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

O homem destrói a natureza...o tal homem considerado sapiens...racional, mas eis que um serzinho insignificante...o tal irracional chega e com o seu modo desengonçado numa linguagem que todos conhecem mas fingem não entender, nos aparece e diz: estou aqui...por mais que tentes...ficarei até que vos veja a vós assim como eu...completamente encurralados nesses muros de concreto, nesse cinza escuro do alcatrão. É assim...todos os dias recebemos alertas, só que fingimos não os ver. Lindo, amigo! Um beijinho e um bom fim de semana
Emília

Lamarque disse...

muito bom o seu espaço. parabens. é isso mesmo, temos surpresas quando adentramos ao mato.... grande abraço lamarque

vieira calado disse...

Vão acabando com tudo, amigo...
Só o dinheiro lhes interessa!
Um abraço!

Magia da Inês disse...

Triste fim desses pequenos paraísos... um a um vão tombando sob o peso da ganância.

Bom domingo!
Boa semana!

°º✿♫
°º✿ Beijinhos do Brasil!
º° ✿♥ ♫° ·.

Celina disse...

EI QUE PERDI O MEDO E ENSINEI AOS MEUS FILHOS TAMBEM NÃO SENTIREM MEDOS. AS VEZES EU FICAVA DISTRAÍDA VENDO TANTOS ANIMAIS E AS FLORES ,PARECIA QUE ESTAVA EM OUTRO MUNDO EU A CHAMAVA DE ESCOLA PARAÍSO POR POSSUIR TANTA BELEZA NATURAL.
UM ABRAÇO GRANDE CELINA

Flor de Lótus disse...

Oi, Antônio!Lamentável ver que a natureza está sendo destruída dia a dia por causa do "progresso" que progresso é esse que não preza pelo que há de mias precioso, e depois as pessoas não entendem quando a natureza se revolta contra o homem.Ela de algum modo precisa mostrar seu poder...
Beijos

Celina disse...

1º PARTE DO COMENTÁRIO:
OI AMIGO ANTONIO ,PAZ PARA TODOS!
EU VOU COMPLETAR O COMENTÁRIO , A PRIMEIRA PARTE FUGIU , ONDE EU FALAVA DA BELEZA DE SER POETA E NUM TRECHO PEQUENO FALAVA DA NATUREZA , DOS RUÍDOS DAS METRÓPOLES E DA QUIETUDE DOS LUGARES SIMPLES E BONITOS. ONDE EXISTEM ALÉM DE OUTROS ANIMAIS, VC FALOU DOS SAPOS, EU DESCREVO O LUGAR LINDO ONDE FUI A ESCOLA PELA PRIMEIRA VEZ. CELINA

O Árabe disse...

Fantástico texto, meu irmão! Cada vez mais, precisamos defender a natureza... e a nossa vida! Meu abraço, boa semana. Salam Aleikum!

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido Poeta

E como é bom ouvir os sons da natureza, voltei no tempo e me vi menina naquelas noites serenas no meu Alentejo e ouvindo todos os ecos que hoje já não existem.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Toninhobira disse...

Infelizmente é a maldita força bruta da grana, que nos massacra com seu rolo compressor.
As vezes penso que nao temos mais o que fazer,apenas lamentar,pois há um jogo sujo e perigoso.Vejo em Salvador o clima ambiental rolando solto em cada manhã,em cada lançamento imobiliario e os bichos invandindo as casas proximas.
Dificil amigo.
Uma boa semana de paz interior.
Abraços.

LUCONI disse...

Caro amigo, estou lendo teus poemas que foram postados na época de meu afastamento e não podia deixar de comentar este, uma obra que retrata de forma fiel o que realmente acontece aos seres indefesos do planeta expostos à ganancia humana, ficou muito especial, obra de um grande mestre.
Já publiquei lá teu poema,realmente descreveste o amor de Cristo pela humanidade, mas mesmo assim não sou digna para o ofereceres a mim, nossa um dia talvez em outras paragens eu me torne digna de ganhar tal oferecimento, vai lá vê se ficou de seu agrado, beijos Luconi