terça-feira, janeiro 03, 2012

Lembranças de um Paraíso


Ouço sua voz, murmúrios incógnitos de grutas,
Como os hinos de amor, de nostálgica tristeza;
Como as lembranças mais sublimes e augustas,
Ecoar dentro de mim, com ternura e singeleza.

Ouço na hora das tristezas, e das melancolias,
Transcendente visão dessas lágrimas nascidas;
Seus afagos em meu coração, nas noites frias,
Em meus sentimentos e nas lágrimas perdidas.

Meu Deus! Aquela doçura que de tanta beleza
Dos gestos, do amor, da doçura, e da pureza
Volve a mim como as bênçãos, sutis e singelas

Sinto os enlevos, e os sonhos da noite mais bela
Adentrar esta minh’alma, ao ouvir o nome dela
Nas melodias distantes, saudosas d’outras eras