sexta-feira, fevereiro 03, 2012

Brasil S/A

Este poema pertence à...
Uma Sociedade Anônima
Que nas calçadas da infâmia,
Onde gente endividada;
Com rostos e caras de rotos semblantes,
Sofrem, vomitam, se embriagam...

Uns
Pregam uma verdade
De bíblia na mão,
Pedindo uma oferta,
De seu coração!

Enquanto isso...
Miseráveis, perto de um Shopping,
Longe da glória...

Povo...
Sem identidade,
Angustiado, quieto, calado
Quer aparecer na TV!
Na TV Fama,
Aquela dos novos milionários;
Da televisão e da tenda dos milagres...

Enquanto isso,
Lá vem chuva...
Tempestade...
Presságio...
Lágrimas...
Dívidas...
Dúvidas...
Lá vêm Promessas!
Lá vêm os santos anjos guardiões
Salvadores e profetas do nosso apocalipse
Saídos do inferno, diretos ao Paraíso...