quinta-feira, março 15, 2012

O Maior dos Amores


Eu imagino que neste roteiro de tanta glória
És tu uma princesa e a fina flor da majestade;
A dama dos desejos, dos lírios, d’alma flórea,
Abrigo de tantos delírios, de amor, felicidade!

Mas penso temeroso quando tu vier a morrer
Que angústia e que dor pelas almas tornaria;
Que seria então de nós, todos então a sofrer,
Pois um céu enegrecido, sobre nós desabaria!

Todo sofrimento de tua vida, nos doces leitos
Ficará in memoriam, via crucis dos calvários;
Como néctar de teus lábios saciando os desejos,
De filhos desajustados, insanos, e tantos vários!

Mas teu corpo de luz, de mártir, tão despojado
Envolto em sedas, e nas mais cheirosas vestes;
Serás entre as primeiras, pelo Cristo abençoado,
Sob a glória divinal das lindas mansões celestes!

Creio que Ele ao ver teu corpo despedaçado
Magnificência, invólucro de uma alma bela;
Cure todas as feridas, de teu corpo profanado,
E seja lavado numa fonte, cristalina e singela!

Não será nenhum pecado, ironia atroz funérea
Imaginação minha, do pobre mortal que sou;
Comparar-te a uma princesa, dentro dessa matéria,
Quando estiveres nos braços, Daquele que te amou!