segunda-feira, agosto 20, 2012

Sonho Cativo

Ou Poesia Brega...




Carrego um segredo oculto, sofredor e verdadeiro,
Como um amante perdido, pela noite, mergulhado;
Numa intensa paixão, ao mesmo tempo prisioneiro,
Por este amor oculto, e um desejo enclausurado...

Em meu sonho há um jardim, tristonho e desolado.
É um segredo cruel e silente, dum fogo alvissareiro,
Fazendo viver um amor, tão sofrível e amargurado;
Como um espinho na carne, doloroso e verdadeiro...

Eis que este amor, tão intenso quanto profundo,
Minha desventura, o meu sonho, uma quimera;
É o meu triste viver, pois dum sonho é oriundo,
Nesta via dolorosa, que alucina e me encarcera...

E assim quando vem a noite, refém serei do tédio...
Sonharei com aqueles lábios, suaves a me beijar,
Com beijos ardentes, feito um balsâmico remédio;
Fazendo nascer em mim, o desejo de lhe tocar.

E neste sonho feliz, com a amada do meu segredo,
Parece que sinto seu corpo, faminto se entregar.
Pois seu vulto atrás da cortina, figura deste enredo,
Ascende aos meus desejos, como ao céu pudesse chegar.