domingo, setembro 29, 2013

A Noiva do Altar


Mas eis que em chegado o momento
Numa alcova, felizes – hoje radiantes,
Enfim, sós – e os dois corpos arfantes,
Esfregam-se em frenético movimento...

A noiva do altar, solene, e decorosa,
Por entre beijos, lânguidos, calientes;
Desabrocha em toques sutis, ardentes,
Feito um botão, delicado de uma rosa...

A musa do altar, sacrossanta, nua,
Rompia o véu dos segredos de amor
Junto com a noite, tão somente sua!

A mística encarnação, santa e gótica,
De delicada noiva, pura, imaculada,
Era uma ilusão, esplêndida de óptica!

quarta-feira, setembro 25, 2013

Noiva


No átrio santo, misteriosa, encantadora,
Está assim a noiva, diante do altar;
Parecendo no céu, a Deus celebrar,
Com uma aura de Virgem Consoladora...

A fascinante visão no recinto sagrado,
Diante do altar marmóreo, em prantos
Diante do Cristo, dos anjos, e santos,
Espera seu eleito, por Deus preparado...

Ó noiva dos sonhos doces, belos e castos!
Sim, pois com eles o amado vem,
Trazer para si, os sonhos doces e vastos.

Numa auréola espiritual de formosuras,
Eis que esta noiva é a pureza duma santa,
No gótico altar, sacrossanto das figuras...


quarta-feira, agosto 07, 2013

A Capela


Capelinha esquecida, soturna, abandonada,
Cravada junto ao lago, isolada, me contagia...
Fincada nas pedras, parece de Deus morada,
Chamando para rezar, Pai-Nosso, Ave-Maria.

As flores são enfeites, as pedras são o altar,
Um anjo parece trazer, do céu uma sinfonia...
Os pássaros gorjeiam, são hinos a embalar,
Num misto de tristeza, de sonhos e nostalgia.

Pequena capela, que evoca tal nostalgia,
Evoca saudades, na alma inda expressas,
De todos os sonhos, outrora doce alegria...

Capela solitária, testemunha a relembrar,
Sonhos de amor e tantas outras promessas,
Jurados perante Deus, defronte o seu altar...




sábado, julho 13, 2013

Floresta Morta


Eis que uma réstia de luz primaveril
Numa floresta morta, penetra suave. 
Adentra-lhe em profundidade, sutil, 
Com a perfeição, mecânica da chave... 

Abre os caminhos, essa luz suavizada, 
Delicada fonte de amor, pura, natural! 
Como a alma, num corpo, agasalhada, 
Toca-lhe o seio frio, mas doce, angelical... 

Sob o negro manto, quem sabe u’a porta, 
Uma passagem da dormência para a vida, 
Passagem das feras, nesta floresta morta... 

Oh, bem-vinda luz, que rasga a escuridão, 
Desabrocha a volúpia, clâmide esquecida, 
Fonte da centelha mágica, e nossa ilusão...




domingo, julho 07, 2013

Anjo da Minha Vida


É o momento para amar e te rever,
Com versos e a flor mais perfumada;
Com os hinos concebidos no querer,
E esplendor, desta alma apaixonada...

Em teu corpo, o meu corpo aquecer,
Este sonho só contigo minha amada;
Com amor que meus olhos hão de ver,
No silêncio, desta noite almejada...

Pois tu és, o anjo da minha vida!
Entre as flores, a mais querida,
Na consagração, deste esplendor!

Quando então me tornar ao nada,
Que seja este, meu conto de fada,
Tão infinito, quanto seja o amor!


terça-feira, junho 18, 2013

Desperta Brasil!


Quando não encontrar mais palavras, 
as flores falarão...

Após dias de protestos em São Paulo, a mobilização social que sacudiu o País inteiro, está sendo considerada uma das maiores manifestações desde o Impeachment de Fernando Collor de Mello em 1992.
Desta vez, é contra o atual sistema, que governa o país sob a bandeira do PT e seus aliados, e que demonstram que não honraram com o discurso de campanha, em que o mote para chegar ao poder, era a ética, a seriedade, e o combate à corrupção...
Eis o resultado catastrófico. Mensaleiros, roubalheira, seus principais líderes envolvidos num mar de lama sem fim e agora a tal PEC 37, dispositivo legal que anula o poder de investigação do Ministério Público.
Centenas de milhares de pessoas foram às ruas para manifestar sua insatisfação, não pelo fato apenas, da passagem de ônibus subir vinte centavos, mas para mostrar indignação contra a falta de investimanto na saúde, e na educação.





domingo, junho 09, 2013

Separação



Os humanos criaram barreiras
Do separatismo...
Separam animais em jaulas e gaiolas;
Separam homens de homens.
Separam mulheres, crianças, idosos,
Enfermos, loucos e delinquentes...

Atribuem a tudo uma causa,
E por categoria separam.
Separam por classe, raça ou religião...
Os racistas querem isolamento.
Os religiosos querem somente eles,
Viver em separação...

Outros por causa disso,
Lutam, matam e morrem,
Em nome da exclusão.
Separam pessoas por sexo,
E ainda por opção.

Separam pela idade, 
Altura, peso e cor,
Por causa de sua moda, 
Ditada pelo cifrão.
Separam pela cultura.
Separam pelos costumes;
Por grau de escolaridade,
E ainda por profissão.

Separam por descendência,
Os filhos doutra nação.
Separam com toda certeza,
E ainda por adoção.

Separam por diferença,
E no auge do preconceito,
Só querem separação.
Separam tanto os humanos,

Que um dia se pararão...


terça-feira, maio 07, 2013

Universo da Alma



Há quem afirme que chegará um tempo, em que a vida como conhecemos não existirá, logo, muito menos o Planeta Terra...
Nada subsistirá e cairemos no véu do esquecimento total.
De nada mais, “lembraremos”. Nem de que existimos, nem de nossa vida terrena, nem de mais nada...
Tudo voltará a ser o que era antes dos primórdios do nada absoluto?
Porém não podemos afirmar com certeza de que tudo isso seja a mais pura verdade.
Peço licença e tomo emprestadas as palavras do amigo Ricardo Alves do blog Luz no Papel:
"Que me perdoem os mais eruditos e principalmente os físicos! Mas meus delírios devem possuir alguma verdade. Concordo que são intuitivos..."
E que me perdoem os esotéricos, os místicos e religiosos...
Muito do que cremos é aceito pela fé que herdamos! No entanto nada impede que divaguemos. Também por intuição externo um pensamento, que se fato ou não, vai de encontro aos anseios da alma, no que diz respeito à nossa existência.
E ao discorrer sobre nossa existência, não temos como não conjecturar sobre a natureza de Deus e do Universo... Os místicos do período Talmúdico afirmaram, em contraste com o transcendentalismo Bíblico, que "Deus é o lugar-morada do universo; mas o universo não é o lugar-morada de Deus". Possivelmente a designação ("lugar") para Deus, tão frequentemente encontrada na literatura Talmúdica-Midrashica, é devida a esta concepção, assim como Philo, ao comentar sobre Genesis Cap. 28, versículo 11 que diz: "Deus é chamado 'ha makom' (המקום "o lugar") porque Deus abarca o universo, mas Ele próprio não é abarcado por nada" ("De Somniis," i. 11).
Creio, porém, que nossa Consciência Individual, ou seja que definição queiramos dar, transcende além... Por isso, é que aqui estamos a divagar sobre os mistérios da nossa existência... Não quero ser precipitado em especular, mas ainda que a Via Láctea seja engolida e destruída num imenso buraco negro, ou que o imenso universo desapareça, acredito que esta "substância imaterial" que nos guia, retornará ao TODO, PARA DEPOIS RESSURGIR EM OUTRO PLANO! Ela apenas ocupou o “pote”, o corpo físico que evoluiu e que deu fé de si... Ou seja, conscientizou-se de sua existência...
Avadhutika Anandamitra Acarya em O Segredo da Mente, diz que a “Consciência Individual semelhante uma porção de água, existe dentro do oceano infinito da Consciência Cósmica”. Entendi nesse caso, que seria como se esta porção de água estivesse retida dentro do pote circundado por este oceano. A água no pote parece separada da água do oceano por causa da limitação física que os divide – a mente aprisionada no corpo físico. Mas quando o pote se rompe, as águas se misturam.
É quando a mente é libertada. Não existindo nenhuma separação entre o interior e o exterior, a Consciência Individual se dissolve na Consciência Cósmica... Então, liberta de todas as amarras, mais além de toda vibração e dualidade, o Eu [o Ser imortal] realiza sua verdadeira Glória – sem nome, sem semblante, imutável, sem princípio ou fim, a bem-aventurança infinita e a paz eterna, retornando para o TODO.

Transição da Alma

Quando o homem desencarnar dessa matéria,
E noutra, puder a Deus, sua face contemplar
Será numa transição, e o fim de toda miséria,
Numa cósmica substância, sua alma resgatar.

Pois numa constelação, num halo fulgurante,
Estará quem sabe Deus, pelo mundo passear
Talvez em um planeta, ou num astro radiante,
Quem sabe duma luz, toda alma esquadrinhar.

Mas nessa minha visão, fruto de ignorância,
Penso que o homem, e desde sua infância,
Será em transição, quem sabe um advento!

Creio que essa transição, da substância evolui,
E mostra para a alma, a rudeza que ontem fui,
Como o abrir da porta, derradeiro movimento!





domingo, abril 28, 2013

Brisas Mensageiras



Preciso entender as brisas
Que diante do meu caminho
Falam de flores que não compreendo...
Não sei se é a surdez, ou ignorância,
De um poeta fingidor...

São brisas mensageiras
Quais setas vindas do céu
Ainda que de amor
Ainda que para falar
Com tanta sublimação...

Brisas ecoam em minh’alma
Como querendo avisar,
Falam então aos ouvidos
Que é hora dos sonhos parar!

Preciso agora entender
Que é hora de um rumo seguir
Talvez nas águas d’outra esfera
Nas letras de outro poema
E um novo sonho tornar.


Pinturas de Vladimir Kush



domingo, abril 07, 2013

Jerusalém Esperança


“Não é o mundo que precisa de paz, são as pessoas. Quando as pessoas a alcançarem, o mundo estará em paz.” Essas sábias palavras são de Prem Rawat.
Num mundo onde a Paz é almejada, cantada e versejada, ela nunca se pareceu tanto com Jerusalém...

A Paz parece inalcançável e inatingível. Apesar de toda gente de todos os credos professar uma fé, ou praticar uma religião, elas se lançarão umas contra as outras, para defender os interesses de sua pátria ou de uma causa. Seja cristão contra cristão, judeu contra judeu, muçulmano contra muçulmano... É irônico que assim seja...
Ninguém quer mais um Holocausto, ou como dizem os judeus, uma Shoá.

Não será somente com palavras e boas intenções que a alcançaremos. Ela tem de começar dentro de nós.

Tem de partir não só de israelenses, palestinos, árabes, brasileiros, americanos...

Tem de começar com governantes, líderes de cada religião, de cada reduto, de cada facção... 

A Paz só acontece quando houver tolerância, compreensão e respeito. A partir do instante que cada um reconhecer que somos peças interligadas e dependentes uma das outras, aí nascerá a Paz.


Jerusalém, capital de Israel.
Situada nas Colinas da Judéia e demais regiões
Entre o Mar Mediterrâneo e o Jordão
Santificada pelas três religiões

Reverenciadas por cristãos
Onde Jesus há dois mil anos ressuscitou
Venerada pelos muçulmanos
Onde Maomé ao céu ascendeu

Amada pelos judeus
Onde o Rei Davi governou
Cidade do Templo formoso
Capital do reino tornou.

Jerusalém de hoje
Multifacetada e cultural
Cidade rica, diversificada e moderna.
Ponto de peregrinação mundial.

Buscando novamente a paz
Que a paz supere pra sempre a dor
Unindo judeus, cristãos e muçulmanos,
Congregados sob os laços do amor.





quarta-feira, março 27, 2013

Travessia para Liberdade


Foi um dia, em que meu corpo dilacerado
Com a alma palpitante com os desalentos
Trazia tristezas dos ais de um amargurado
Trazia os soluços, as dores e os tormentos

Foram os suplícios nas dores que amarguei,
De palpitações e avassaladores sentimentos
Dos tormentos e das lágrimas que derramei,
Das ânsias nascidas, dos meus sofrimentos!


Mas nos acordes das luzes angélicas, radiantes
Trago no coração as marcas de outrora; dantes
E as preces insondáveis de tu’alma a murmurar
Não é, no entanto, em final de morte horrenda
E tão atroz e derradeira; tão gélida e tremenda
Que na dor das despedidas o Amor há de findar!




quinta-feira, março 21, 2013

Berço Enlameado



Pranteio aqui, a dor do meu semelhante...
Daqui do alto, a Natureza, escuto!
Este berço esplêndido é caos absoluto,
Gigante ferido, glorioso, retumbante!

A terra em agonia, febril e delirante,
É a Natureza, por quem eu tanto luto!
Berço dos filhos, na paz do sono justo,
Da inocência, do incauto, do infante!

Em seus leitos, agitam-se os filhos,
Choramingando em dores e delírios,
Pedindo ao Pai, talvez um querubim...

Vejo daqui, com a alma angustiada,
Outras almas, nesta terra enlutada!
Perecem os sonhos, acabou-se, é fim...


Amigos, a história se repete...
No país repete-se uma história sem graça.
Desgraça! Dói na alma ver as tragédias anunciadas se materializando a nossa volta.
Por mais anunciadas que sejam, os órgãos competentes continuam na mesmice da surdez, da cegueira e da omissão, para não falar da corrupção, que, esta sim, desgraça cada vez mais...
Para completar a tragédia, o pranto de mães, pais, avós e de toda família, parece não sensibilizar, muito menos acordar este governo que peca em não aplicar leis exemplares, para aqueles que não dão a mínima para as vidas. Vidas ceifadas covardemente.
Repito: não há PREOCUPAÇÃO por parte das autoridades em primar pelo zelo, e a segurança de seus cidadãos.
O caso mais emblemático, cruel, mortal e fatídico, ocorrido em uma boate em Santa Maria, no Rio Grande é o último...
Quem arrisca dizer que não se repetirá noutros cantos deste país?
Quantos Joelmas, quantos Bateau Mouche, quantas discotecas ainda serão sinistradas por falta de cuidado e fiscalização?
Uma coleção de derrotas e mui dolorosas, assolam este país...
Não basta a fúria da Natureza, que quando não é com chuvas torrenciais, é com secas catastróficas.
Porém a Natureza é mais justa que os homens!
Sim, Mãe Natureza cumpre seu papel...
Enquanto isso, no Planalto Central, a arrogância, a ditadura de vaidades, a presunção, as falcatruas, a soberba, e o pouco caso para com o clamor da sociedade, vão fazendo sua destruição!
Destruindo almas, sonhos, autoestima, cidadania, esperança...




domingo, março 10, 2013

Divino Encanto


Gostaria de dizer algo sobre mulheres que sofrem, e são agredidas física e verbalmente em seus lares, muitas levadas a óbito por quem deveria amar e ser companheiro...
Não é assim.
É muito triste estes momentos...
Então, optei por homenageá-las assim:


Quando teu amor das formas inefáveis,
Fenecer, em tuas veias para sempre;
Quando os brilhos teus, límpidos, amáveis,
Esmorecerem para o céu eternamente,

Quem sabe, feito angélica doçura,
Alma Santa, encantadora, graciosa;
Rosa de Sarom, de Cântico, ternura,
E com a beleza, serena e dolorosa,

Fará com que, relembre esta beleza,
Com as rosas, as flores e a certeza,
Neste êxtase, de místico recanto...

Procuro ainda teu amor, dilacerado,
Contudo, com o espírito enlevado,
No silencio doloroso deste encanto...

quinta-feira, janeiro 31, 2013

Lua Dolorosa


Lua, das luzes imortais, maravilhosas, 
Dos plenilúnios inefáveis, sonolentos; 
Dos sonhos, devaneios, dos tormentos, 
Das brumas, dos notívagos, das rosas... 

Lua, que à noite vai a taciturnas mágoas, 
Mágoas de amor, e plangente nostalgia; 
Do amor distante, dos encantos e magia,
Parece-me sussurro, monótono das águas.

São estas sutis palpitações, que da lua vem, 
Com as ânsias dos momentos mais saudosos; 
Ecoando pela alma, e este amor a ti também... 

Em ais de dor, em gemidos dum açoite, 
Carrego este amor, desvairado, e louco; 
Sob a luz deste luar, e um fado esta noite...