sábado, julho 13, 2013

Floresta Morta


Eis que uma réstia de luz primaveril
Numa floresta morta, penetra suave. 
Adentra-lhe em profundidade, sutil, 
Com a perfeição, mecânica da chave... 

Abre os caminhos, essa luz suavizada, 
Delicada fonte de amor, pura, natural! 
Como a alma, num corpo, agasalhada, 
Toca-lhe o seio frio, mas doce, angelical... 

Sob o negro manto, quem sabe u’a porta, 
Uma passagem da dormência para a vida, 
Passagem das feras, nesta floresta morta... 

Oh, bem-vinda luz, que rasga a escuridão, 
Desabrocha a volúpia, clâmide esquecida, 
Fonte da centelha mágica, e nossa ilusão...




domingo, julho 07, 2013

Anjo da Minha Vida


É o momento para amar e te rever,
Com versos e a flor mais perfumada;
Com os hinos concebidos no querer,
E esplendor, desta alma apaixonada...

Em teu corpo, o meu corpo aquecer,
Este sonho só contigo minha amada;
Com amor que meus olhos hão de ver,
No silêncio, desta noite almejada...

Pois tu és, o anjo da minha vida!
Entre as flores, a mais querida,
Na consagração, deste esplendor!

Quando então me tornar ao nada,
Que seja este, meu conto de fada,
Tão infinito, quanto seja o amor!