terça-feira, maio 07, 2013

Universo da Alma



Há quem afirme que chegará um tempo, em que a vida como conhecemos não existirá, logo, muito menos o Planeta Terra...
Nada subsistirá e cairemos no véu do esquecimento total.
De nada mais, “lembraremos”. Nem de que existimos, nem de nossa vida terrena, nem de mais nada...
Tudo voltará a ser o que era antes dos primórdios do nada absoluto?
Porém não podemos afirmar com certeza de que tudo isso seja a mais pura verdade.
Peço licença e tomo emprestadas as palavras do amigo Ricardo Alves do blog Luz no Papel:
"Que me perdoem os mais eruditos e principalmente os físicos! Mas meus delírios devem possuir alguma verdade. Concordo que são intuitivos..."
E que me perdoem os esotéricos, os místicos e religiosos...
Muito do que cremos é aceito pela fé que herdamos! No entanto nada impede que divaguemos. Também por intuição externo um pensamento, que se fato ou não, vai de encontro aos anseios da alma, no que diz respeito à nossa existência.
E ao discorrer sobre nossa existência, não temos como não conjecturar sobre a natureza de Deus e do Universo... Os místicos do período Talmúdico afirmaram, em contraste com o transcendentalismo Bíblico, que "Deus é o lugar-morada do universo; mas o universo não é o lugar-morada de Deus". Possivelmente a designação ("lugar") para Deus, tão frequentemente encontrada na literatura Talmúdica-Midrashica, é devida a esta concepção, assim como Philo, ao comentar sobre Genesis Cap. 28, versículo 11 que diz: "Deus é chamado 'ha makom' (המקום "o lugar") porque Deus abarca o universo, mas Ele próprio não é abarcado por nada" ("De Somniis," i. 11).
Creio, porém, que nossa Consciência Individual, ou seja que definição queiramos dar, transcende além... Por isso, é que aqui estamos a divagar sobre os mistérios da nossa existência... Não quero ser precipitado em especular, mas ainda que a Via Láctea seja engolida e destruída num imenso buraco negro, ou que o imenso universo desapareça, acredito que esta "substância imaterial" que nos guia, retornará ao TODO, PARA DEPOIS RESSURGIR EM OUTRO PLANO! Ela apenas ocupou o “pote”, o corpo físico que evoluiu e que deu fé de si... Ou seja, conscientizou-se de sua existência...
Avadhutika Anandamitra Acarya em O Segredo da Mente, diz que a “Consciência Individual semelhante uma porção de água, existe dentro do oceano infinito da Consciência Cósmica”. Entendi nesse caso, que seria como se esta porção de água estivesse retida dentro do pote circundado por este oceano. A água no pote parece separada da água do oceano por causa da limitação física que os divide – a mente aprisionada no corpo físico. Mas quando o pote se rompe, as águas se misturam.
É quando a mente é libertada. Não existindo nenhuma separação entre o interior e o exterior, a Consciência Individual se dissolve na Consciência Cósmica... Então, liberta de todas as amarras, mais além de toda vibração e dualidade, o Eu [o Ser imortal] realiza sua verdadeira Glória – sem nome, sem semblante, imutável, sem princípio ou fim, a bem-aventurança infinita e a paz eterna, retornando para o TODO.

Transição da Alma

Quando o homem desencarnar dessa matéria,
E noutra, puder a Deus, sua face contemplar
Será numa transição, e o fim de toda miséria,
Numa cósmica substância, sua alma resgatar.

Pois numa constelação, num halo fulgurante,
Estará quem sabe Deus, pelo mundo passear
Talvez em um planeta, ou num astro radiante,
Quem sabe duma luz, toda alma esquadrinhar.

Mas nessa minha visão, fruto de ignorância,
Penso que o homem, e desde sua infância,
Será em transição, quem sabe um advento!

Creio que essa transição, da substância evolui,
E mostra para a alma, a rudeza que ontem fui,
Como o abrir da porta, derradeiro movimento!