quarta-feira, agosto 07, 2013

A Capela


Capelinha esquecida, soturna, abandonada,
Cravada junto ao lago, isolada, me contagia...
Fincada nas pedras, parece de Deus morada,
Chamando para rezar, Pai-Nosso, Ave-Maria.

As flores são enfeites, as pedras são o altar,
Um anjo parece trazer, do céu uma sinfonia...
Os pássaros gorjeiam, são hinos a embalar,
Num misto de tristeza, de sonhos e nostalgia.

Pequena capela, que evoca tal nostalgia,
Evoca saudades, na alma inda expressas,
De todos os sonhos, outrora doce alegria...

Capela solitária, testemunha a relembrar,
Sonhos de amor e tantas outras promessas,
Jurados perante Deus, defronte o seu altar...