quinta-feira, novembro 05, 2015

Balada de um Pedreiro Nordestino

O nome é fictício, mas o acidente ocorreu, e poderão ocorrer em alguma construção, principalmente aquelas que não são devidamente fiscalizadas.
Muitos vêm de várias regiões do país em busca de uma oportunidade, mas principalmente do nordeste. Como são em parte desprovidos de uma melhor qualificação profissional, encontram nas construtoras, uma oportunidade para aprenderem um ofício, para mais tarde retornar ao seu local de origem, ou viver na metrópole.
Quando chegam, eles vão trabalhar na construção de casas, edifícios, ou grandes obras. Muitas vezes sem equipamentos de proteção, sem amparo legal, e trabalhando em condições de alto risco, isso quando não são contratados pelos “gatos”, (os atravessadores), por um salário irrisório...
Para descarregar suas desilusões, alguns buscam no álcool e nos forrós, uma fuga.
Trabalhei num canteiro de um terminal rodoviário, e pude presenciar ali, pessoas com baixa formação escolar, homens carentes de uma assistência médica descente, e vivendo em alojamentos imundos. Raimundo era um deles, e há quinze dias viera do estado do Ceará. Caiu de uma altura de seis metros em cima de uma armação de ferro. Não usava capacete, luvas, ou cinto de segurança... Quero também a eles, dedicar esses versos:




Veio do norte, Raimundo Francisco,
Na obra servir como um reles peão...
O rosto era pálido, e a fria marmita,
Guardou no armário de um barracão...

Pegou o martelo e o alicate de corte,
E de alma contrita, fez uma oração.
O jovem pedreiro pensando no norte,
Dobrou um arame e furou sua mão!

Meio-dia Raimundo parou p'ra comer,
Lembrou-se dos pais e de outro irmão.
Bebeu uma dose p'ra vida esquecer,
Pegou a marmita e sentou-se no chão...

A pobre marmita era apenas a sobra,
Dum ovo cozido com arroz e feijão...
Raimundo sozinho voltou para obra,
Chorando baixinho em seu coração...

Pensou na esposa que um filho gerava,
Num pobre barraco em um pontilhão...
Raimundo no alto caiu de onde estava,
Perdeu seu martelo e junto a atenção!

O pobre Raimundo, a morte embalava,
Seu corpo estirado, jazia ao léo!
Enquanto a esposa com o filho sonhava,
A obra levava Raimundo ao céu...



quarta-feira, outubro 21, 2015

Felina


Esta volúpia sinuosa apetece e me apanha...
Ardorosa brisa quente, névoa no entardecer,
Que apraz, que seduz; em mim se entranha,
Tão suave que alucina, faz a alma arrefecer!

Mas eis que te vejo nua, na síncope do dia,
A tintura de tua carne, aveludada, quente;
É sangue rubro, qual enorme hemorragia,
De um rosado puro, na mistura do poente.

Fogo do meu fogo, pura essência vaporosa!
Assim como o fogo que aquece, que abrasa,
Assim é tal paixão, alucinante e calorosa...

Mas tu, vida minha! Minha alma minha,
Nutre-me com mais amor, tal qual leoa,
Em transfiguração, de felina e andorinha!
  

segunda-feira, outubro 19, 2015

Infinitude


O caos da matéria no vasto infinito arde,
Em estrelas cintilantes no etéreo divino;
Explosões que abundam na imensidade,
Nos ardentes desejos do eterno destino...

Tamanha visão é este caos atordoante,
Que das nebulosas emitem um fogo halo;
Dão-me pesadelo, quero gritar ofegante,
Suplico acordar, imploro a Deus, não calo!

Misteriosa vastidão do ad infinitum veste,
Tênue penumbra que a matéria esconde,
Morrem as estrelas, está em luto o espaço...

Mistérios a vagar com a solidão celeste,
Enclausurados em meus pensamentos,
Aturdido acordo de vez, a cada dia renasço...


domingo, setembro 27, 2015

Sublime Perfeição


O amor é o sentimento mais nobre dos imperfeitos seres humanos, posto que a função do amor é levar-nos à sublime perfeição. Aqueles que entendem isso, entendem os propósitos de Deus.

Antônio Lídio Gomes

sábado, setembro 19, 2015

O Azorrague do Cristo

A meu ver, esses homens que se auto intitulam apóstolos ou bispos não passam de empresários gananciosos que descobriram na fé cega e no misticismo brasileiro uma ótima fonte de arrecadação. O brasileiro já traz em sua cultura a crença em diversas entidades ou objetos, mas nem sempre em um Deus Eterno e Soberano. Ou quando buscam ao Deus do cristianismo, incorporam misticismo oriundo de religiões diversas. Fico pensando em Paulo e Pedro, por exemplo, disputando entre si quem pregava o evangelho melhor ou mais poderoso... O que vemos hoje é um conflito de quem é mais forte e de quem arrebanha mais seguidores para encher seus templos. Não é um poder advindo do verdadeiro evangelho bíblico, mas um poder dado pelo deus Mamon (dinheiro), aos quais esses homens tanto servem explícita e descaradamente. Um duelo de poderes monetários que para nada serve à obra de Deus, visto que, se o Reino de Deus não é desse mundo, não cabe auferir lucros para aumentar o patrimônio financeiro à Igreja. Os verdadeiros e maiores Apóstolos se encarregaram de anunciar o evangelho somente com esses recursos: o caminhar em Cristo, o anunciar as Boas Novas, e ao mesmo tempo, levar uma vida de humildade e sem focar em riquezas. Nunca com somas exorbitantes, seja em ouro ou prata para expandir negócios! Como é que duas igrejas QUE SE DENOMINAM CRISTÃS são inimigas, e vivem duelando através da mídia? A IGREJA UNIVERSAL DO REINO DE DEUS e a IGREJA MUNDIAL DO PODER DE DEUS representadas pelos seus donos realmente esperam se encontrar na Eternidade? Ou pior, como uma pessoa que se diz cristã tenta impedir a outra de pregar o Evangelho? (se isso que eles pregam realmente é evangelho...) 
Estão desviando a Glória que deveria ser de Deus para eles mesmos. São mega empresários, são vendilhões da fé, são aproveitadores da desgraça alheia... Creio que sobre eles, o Juízo do Eterno será implacável!



sábado, setembro 12, 2015

Assim evolui a Intolerância...

ERRAR É HUMANO... É PERDOÁVEL? SIM E NÃO, DE ACORDO COM A CONCIÊNCIA DE CADA UM. MAS FOI RUIM A ATITUDE DE PETRA LASZLO! PIOR AINDA POR SER UMA JORNALISTA, PIOR AINDA POR CHUTAR E DERRUBAR COVARDEMENTE UM PAI INDEFESO COM UMA CRIANÇA NO COLO, PIOR AINDA, POIS EM NADA CONTRIBUIU PARA MELHORAR O MUNDO E A HUMANIDADE. PIOR AINDA, POIS É UM ÁLIBI PERFEITO PARA OS FANÁTICOS DO ESTADO ISLÂMICO QUE AGORA TEM MAIS MOTIVOS PARA ESPARRAMAR SEU ÓDIO CONTRA O MUNDO OCIDENTAL, ISRAEL E CRISTÃOS...
Fotomontagem de minha autoria

quarta-feira, agosto 19, 2015

Dá-me da tua Essência


Essência das Essências perfumada,
Entre espinhos lutuosos do martírio;
Estás linda entre as flores adornada,
Graciosa Flor das flores meu delírio...

Entre rosas de perfumes matinais,
Sedutora, delicada e vaporosa;
Entre as flores perfumosas imortais,
Dos amores virginais e melindrosa...

Com o amor, entretanto prevalece,
O aroma perfumoso e almejado,
Que o orvalho feito lágrima conhece...

Mas os sonhos floridos da Primavera,
Que em minh'alma hoje feneceu,
Foram sonhos desta última Quimera...


domingo, agosto 16, 2015

O Grasnar do Corvo

(Meu Tributo a Edgar Allan Poe)


O Grasnar do Corvo
(Meu Tributo a Edgar Allan Poe)

Deu meia-noite... Lá fora a brisa vem fria, amortalhada...
A lua aparece por detrás das nuvens ralas, pavorosas.
Um corvo esconde-se no sótão de uma casa abandonada,
Onde havia decerto lembranças, decrépitas e tenebrosas...

Arrepia-me a pele, só de pensar, caso ali eu estivesse,
A provar daquilo que sou capaz, sozinho e ninguém mais!
Mas, lembrei-me de um fato, de algo que não se esquece...
Aquela casa já foi usada no funeral do amor de um rapaz!

Mas não me contenho! Irei àquela casa provar o que não sou!
Lembrei-me dos homens de Deus, dos Arcanjos e Serafins!
Com a alma fortalecida, rezei apavorado, mas fui até o fim...

Tremia até os ossos, suava toda camisa, não sei se me borrava...
Pensei naquela tolice... Por que me arriscar por algo e nada mais?
É quando sai a ave, roçando-me a cabeça, à noite grasnando Ais...

Filho de pais atores, Edgar Allan Poe nasceu no dia 19 de janeiro de 1809, em Boston, EUA,
e se notabilizou, pelos contos repletos de mistérios e morbidez.
Seu pai David Poe, casou-se com uma atriz inglesa chamada Elisabeth Arnold.
Tivera mais dois irmãos, e os pais faleceram após o nascimento da filha Rosalie. Para não ficarem desamparados, foram adotados pelo rico casal John Allan e Frances Keeling Allan.
Mas o início com seus pais adotivos foram muito difíceis, e isso, fez com que Poe carregasse para o resto de sua vida, toda uma amargura e um pessimismo oriundo dessas dificuldades. Estudou na Inglaterra quando jovem, e mais tarde retornou aos Estados Unidos, para freqüentar as Universidades de Charloteville e Virgínia.
Por ter um espírito aventureiro e indisciplinado, e por não se enquadrar nos padrões da época, acabou sendo expulso da Universidade de Virgínia. Mais tarde, foi para a Grécia lutar contra os turcos. Ao voltar para seu país, alista-se no Batalhão de Artilharia, e consegue uma indicação para Academia Militar de West Point. Mas não prossegue por muito tempo com a carreira militar. Estava voltado mesmo, era para as poesias, depois de haver publicado seu primeiro livro de poemas, Tamerlane and other poems, by a Bostonian. Em 1833, ganha um prêmio do jornal Philadelphia Saturday Visitor com o conto Manuscript found in a bottle.
O diretor do jornal com pena da situação em que se encontrava Poe consegue-lhe um emprego no Southern Literacy, mas o mesmo fica por pouco tempo devido ao alcoolismo.
O casamento com Virgínia, sua prima de apenas 13 anos, torna-o mais confiante, e ele começa a trabalhar em diversos jornais em Nova Iorque e Filadélfia.
Em 1840, publica sua primeira coleção de contos, Tales of grotesque and arabesque e Os crimes da Rua Morgue, apresentando a figura do detetive Dupin, antecessor de Sherlock Holmes.
Mas novamente o destino o surpreende. Sua mulher é acometida de tuberculose, doença que vitimou seus pais. Edgar volta ao alcoolismo e vê na companhia do seu amigo Frances Osgood, uma tentativa de esquecer suas dores. Em 1847, com a morte de sua mulher, Poe se afunda num estado de total angustia e volta novamente para o alcoolismo. Já estava com 40 anos de idade, quando numa taberna em Baltimore, passa mal e acaba falecendo três dias depois, após ser hospitalizado. Isso foi no dia sete de outubro de 1849.
Os contos de Edgar Allan Poe são carregados de um profundo sentimento, emanados da alma, e com uma aura de mistério. Sempre acompanhados com um toque de morbidez, as histórias possuem uma narrativa surpreendente, e impressiona pela beleza artística, o que torna o escritor, um monumento dentro do estilo literário dos contos de terror.

terça-feira, agosto 11, 2015

De Coração


Nosso coração, divino, laborioso,
Motor da vida, dos sonhos idílicos
Dos nossos olhos carnais e físicos
Dita um ritmo latente, melodioso...

Ele é um relógio a trabalhar perfeito,
Em nossa carne dolente neste casulo
Da vida hoje, e para a morte um pulo,
Ecoa silente, soturno dentro do peito...

Mas ao chegar a noite que se inicia,
Com o ocaso e o sono que acaricia,
Cobre-nos o manto suave da ilusão...

                          É quando a alma sai da realidade,                         
 Ao sonhar com reinos de divindade,
De nossa astral e triste desilusão...